SIGA-NOS NA PÁGINA DE FÃS FAÇA GOSTO

ACHOU O SITE INTERESSANTE?FAÇA G+1

Marque Consulta

Psicoterapia Lisboa

Ligue
914375055
961404950
ou Preencha o Formulário



Valores Consulta Psicologia e Psicoterapia

Psicoterapia Individual:

€35Adultos

Terapia de Casal e Familiar

€50Terapia Familiar
€40Terapia Casal


Ataque Panico Como Resolver

Compreenda o que é um ataque de pânico. Saber mais acerca dos seus ataques de pânico é o melhor caminho para se libertar dessa angústia. Leia sobre Ansiedade, Ataques de Pânico e da resposta de alarme que dispara em Si. Rapidamente vai compreender que as sensações, sentimentos e pensamentos num ataque de pânico têm uma explicação.
Aprenda a controlar a respiração. A hiperventilação durante um ataque de pânico provoca tonturas e sensação de aperto no peito. Durante um ataque de pânico, respire profunda e pausadamente. Controlando desta forma a respiração, o seu batimento cardíaco vai desacelerar e as tonturas irão desaparecer.

Conselho do Psicologo

Procure saber as causas e os "porquês" dos ataques de pânico

Pode pensar que os ataques de pânico não têm causa. Se assim fosse, as pessoas não ficariam bem depois de compreenderem porque é que têm ataques de pânico. Simplesmente seria algo impossivel de controlar. No entanto a realidade é bem diferente, apesar dos ataques de pânico parecerem surgir do nada, eles são o resultado da sua maneira de pensar e sentir. Quando faz psicoterapia você vai aprender a desmontar o ataque de panico em pequenas partes e desta forma poderá controlar cada uma delas.

Medo de desmaiar durante um ataque de pânico

Desmaiar é causado pela repentina baixa de pressão arterial. No entanto quando você fica com ansiedade a sua pressão arterial sobe, fazendo com que seja praticamente impossivel que desmaie.

Medo de desmaiar durante um ataque de pânico

Desmaiar é causado pela repentina baixa de pressão arterial. No entanto quando você fica com ansiedade a sua pressão arterial sobe, fazendo com que seja praticamente impossivel que desmaie.

CRITÉRIOS DE DIAGNÓSTICO PARA ATAQUE DE PÂNICO

Período de medo ou desconforto intenso, durante o qual 4 (ou mais) dos seguintes sintomas se desenvolvem abruptamente e atingem o seu pico dentro de 10 minutos:
(1) palpitações, batimentos cardíacos ou ritmo cardíaco acelerado;
(2) suores;
(3) estremecimentos ou tremores;
(4) dificuldades em respirar;
(5) sensação de sufoco;
(6) desconforto ou dor no peito;
(7) náuseas ou mal-estar abdominal;
(8) sensação de tontura, de desequilíbrio, de cabeça oca ou de desmaio;
(9) desrealização (sensações de irrealidade) ou despersonalização (sentir-se desligado de si próprio);
(10) medo de perder o controlo ou de enlouquecer;
(11) medo de morrer;
(12) parestesias (entorpecimento ou formigueiros);
(13) sensação de frio ou de calor.

Psicoterapia Ataque de Panico

O que é um Ataque de Pânico

Um ataque de pânico é um súbito período de ansiedade e medo intenso. O coração acelera muito e a respiração é difícil. As tonturas vêm logo de seguida e por vezes os formigueiros. As dores de barriga ou de estômago compõem o resto do mal-estar. O pensamento que surge é um medo aterrorizante de morrer ou de enlouquecer.

Se não forem tratados, os ataques de pânico podem levar à Perturbação de Pânico e a outros problemas. Os ataques de pânico podem mesmo retirá-lo das suas actividades normais.

Mas os ataques de pânico têm tratamento! Quanto mais depressa procurar ajuda, melhor! Com a psicoterapia, os sintomas de pânico podem reduzir ou eliminar e você recupera o controlo da sua vida.


panico
Muitas pessoas não sabem mas o que sentem é um problema real de ansiedade a que chamamos de ataques de pânico e que esse problema tem uma resposta muito boa à psicoterapia.

Algumas pessoas têm vergonha ou medo de serem consideradas fracas se partilharem com outras pessoas, nomeadamente o médico e com a família mais chegada. Sofrem em silêncio, distanciam-se da família e dos amigos. Evitam o trabalho e o divertimento. Quanto mais depressa recorrer à psicoterapia mais eficaz é o tratamento.

Compreender o Ataque de Pânico

Uma pessoa pode ter um único ataque de pânico, mas a maioria das pessoas uma vez tenha sentido os sintomas físicos do ataque de pânico desenvolve o medo de os voltar a ter.

Os ataques de pânico recorrentes são muitas vezes provocados por situações específicas, como atravessar pontes ou falar em público.

Após o primeiro ataque de pânico, a pessoa fica presa no medo de voltar a ter ataques de pânico, o que faz com que a sua ansiedade ande sempre elevada, e quando se encontra em situações em que se sente ameaçada, por exemplo a ameaça de vergonha, embaraço, de parecer fraca e incapaz de fugir dessa situação, o ataque de pânico dispara.

O tratamento para os ataques de pânico existe e é eficaz! É possível ter uma vida perfeitamente feliz, mesmo quando já se teve ataques de pânico ou Perturbação de Pânico.

Existem três tipos de ataques de pânico:
  • Os ataques de pânico inesperados - aqueles que surgem vindos do nada, sem qualquer aviso. Ou seja, não existe uma razão muito clara para a subida repentina da ansiedade.


  • Os ataques de pânico situacionais - aqueles que surgem sempre em situações específicas. Os ataques de pânico situacionais são recorrentes e muitas vezes provocados por uma situação específica, como atravessar uma ponte ou falar em público. Ocorrem principalmente quando a pessoa já teve outros ataques de pânico na mesma situação.


  • Os ataques de pânico predispostos - aqueles que acontecem com mais frequência numa determinada situação, mas podem não acontecer durante a situação, podendo surgir mais tarde mesmo que a situação já tenha passado, como por exemplo aqueles ataques de pânico que a pessoa tem ao conduzir, mas que surgem quando já está à 30 minutos em condução, ou quando já parou de conduzir.
panico
Um ataque de pânico pode acontecer uma única vez, mas a maioria das pessoas tem vários episódios. De facto, uma em cada quatro pessoas já teve um ataque de pânico ao longo da vida. E estima-se que a prevalência pode atingir 3,5% da população em geral. Estes valores sobem para 10% quando nos referimos a pessoas que consultam serviços de saúde mental, e para 60% quando nos referimos a pessoas que consultam o cardiologista. Sim, é isso mesmo! É mesmo muito frequente.

As pessoas podem de facto ter um ou mais ataques de pânico, e no entanto, viverem a vida de uma maneira perfeitamente feliz e saudável. Os ataques de pânico podem ocorrer como parte de outro problema de ansiedade, como a Perturbação de Pânico, a Fobia Social, a Perturbação Obsessivo-Compulsiva, o Pós Stress Traumático, entre outras.

A psicoterapia é muito eficaz no tratamento dos ataques de pânico. Ou seja, a psicoterapia pode ajudá-lo a aprender estratégias para lidar com os sintomas físicos e com os pensamentos que surgem quando se tem um ataque de pânico. Desta forma a sua vida poderá ser vivida da forma como você quer, sem ser condicionada pela "força de vontade" dos ataques de pânico.

Sinais e Sintomas de um Ataque de Pânico

Os ataques de pânico, surgem muitas vezes quando a pessoa está afastada da sua casa ou do local que considera seguro, mas também podem surgir em qualquer lugar e em qualquer momento. Podem surgir quando está nas compras, a andar na rua ou a conduzir, por exemplo.

panico
Os sintomas físicos de um ataque de pânico surgem rapidamente e, normalmente, atingem o seu máximo até 10 minutos. Os sintomas terminam habitualmente em 20 a 30 minutos.

Um ataque de pânico inclui uma combinação dos seguintes sintomas (não é necessário que a pessoa apresente todos estes sintomas):


  • Batimento cardíaco acelerado ou palpitações.
  • Falta de ar ou hiperventilação.
  • Sensação de sufocação.
  • Suores.
  • Tremores.
  • Dor ou desconforto no peito.
  • Sentindo que o que está à volta não é real.
  • Náuseas ou mal-estar abdominal.
  • Sensação de tontura ou desmaio.
  • Dormência ou formigueiros.
  • Sensação de quente ou frio interior.
  • Medo de morrer, perder o controlo ou enlouquecer.

O que as pessoas fazem para evitar Ataques de Pânico

  • Andar com comida, garrafa de água, álcool ou medicamentos para acalmar.
  • Andar com números de telefone de pessoas de confiança.
  • Viajar, Ir às compras, Ir ao restaurante apenas com pessoas de confiança.
  • Estar em festas apenas com pessoas de confiança.
  • Ouvir phones, Ler, Conversar Ver televisão como formas de se distrair e manter-se ocupado.
  • Estar sempre perto de uma saída.
  • Pensar em desculpas para sair mais cedo de uma situação social.
  • Utilizar exercícios de relaxamento muscular, respiração e meditação .

  • Verificar a existência de telefones, casas de banho, saídas de emergência, hospitais.
  • Verificar a pulsação e tensão arterial.

  • Evitar situações ou pessoas que provoquem emoções, stress, revolta.
  • Evitar filmes emocionantes.
  • Evitar saunas, jacuzzis ou duches quentes.
  • Evitar bebidas que contenham cafeína.
  • Evitar exercício físico vigoroso ou roupas demasiado justas.
  • Evitar restaurantes, comidas específicas ou demasiado cheio.
  • Evitar parques de diversão, festas ou outras actividades sociais.
  • Evitar lojas com multidões ou grandes filas de espera.
  • Evitar conduzir em estradas com trânsito.
  • Evitar a utilização de transportes públicos.
  • Evitar estar sozinho.
  • Evitar estar longe de casa.

Sinais e Sintomas da Perturbação de Pânico

Muitas pessoas tiveram um único ataque de pânico, sem terem tido novos episódios ou quaisquer complicações. No entanto, algumas pessoas que já tiveram vários ataques de pânico desenvolvem um problema de ansiedade que se chama Perturbação de Pânico.
panico

A Perturbação de Pânico é caracterizada por ataques de pânico repetidos, juntamente com mudanças importantes no modo de vida e com uma preocupação constante sobre a possibilidade de vir a ter mais ataques de pânico.

O seu problema de ansiedade pode ser uma Perturbação de Pânico, se:

  • tem a experiência de ter ataques de pânico frequentes que surgem "vindos do nada".
  • tem uma grande preocupasção com a possibilidade de vir a ter outro ataque de pânico.
  • o seu comportamento mudou devido aos ataques de pânico. Por exemplo, passou a evitar determinados lugares onde já teve ou pensa vir a ter um ataque de pânico.
Apesar de um ataque de pânico só durar alguns minutos, os seus efeitos deixam uma marca duradoura. A memória do medo e do mal-estar que sentiu durante os ataques de pânico provoca um impacto muito negativo na auto-confiança o que geralmente conduz a alterações no modo de vida.

Quando começar a sentir que está a alterar a sua vida, no sentido de contornar ou controlar os ataques de pânico, habitualmente deixa de fazer o que mais gosta e de estar com quem mais quer. Este condicionamento leva muitas vezes à depressão. É por esse motivo que é tão importante procurar ajuda o mais rápido possível.

Ansiedade Antecipatória - É a ansiedade e tensão que sente após o período de ataque de pânico ter passado. É uma ansiedade constante, elevada e muito desconfortável, mas não é tão elevada como no ataque de pânico. Essa ansiedade resulta do receio de vir a ter outros ataques de pânico. É uma espécie de "medo do medo" que está sempre presente na perturbação de pânico e é extremamente incapacitante.

Evitamento Fóbico - No início algumas situações são evitadas; com o passar do tempo e sem psicoterapia, o evitamento alastra-se a um número cada vez maior de situações; passam a ser evitados quase todos os locais em que pensa que pode vir a ter um ataque de pânico ou que pode ser difícil sair desse local ou que não terá ajuda se tiver um ataque de pânico; todos estes locais passam assim a ser evitados.